Propostas aceitas - XIX Congresso ABPI (outubro 2021)

TÍTULO DO SIMPÓSIO:

O lugar da palavra: história, política, sociedade em tradução

PROPONENTES:

Aislan Camargo Maciera (USP) - aislan@usp.br

Aline Fogaça dos Santos Reis e Silva (UFRGS) - alinefogacareis@gmail.com

Gesualdo Maffia - gesualdo.maffia@gmail.com

PROPOSTAS ACEITAS (comunicações orais / pôster)

O DE MULIERIBUS CLARIS EM VULGAR ITALIANO NO SÉCULO XIX: REFLEXÕES SOBRE HISTÓRIA, POLÍTICA LINGUÍSTICA E SOCIEDADE ITALIANAS A PARTIR DA RECEPÇÃO DE DUAS EDIÇÕES DA OBRA

Adriana Tulio Baggio (doutora PUC-SP)

A pesquisa cuja proposta de comunicação aqui se apresenta busca refletir a respeito das condições  de produção e da recepção da tradução em vulgar italiano do De mulieribus claris, de Giovanni  Boccaccio, na Itália do século XIX. A coletânea de 106 biografias de mulheres foi escrita em latim  na década de 1360. Ainda no século XIV a obra recebeu ao menos duas traduções para o italiano;  dessas, a de Donato Albanzani (intitulada Delle donne famose), amigo de Boccaccio e de Petrarca,  foi reeditada duas vezes no século XIX: pelo abade napolitano Luigi Tosti, em 1836, e pelo conde  romanholo Giacomo Manzoni (que criticava duramente a edição de Tosti), em 1881-1882. A data  dessas edições coincide com dois momentos relevantes para a história da língua italiana no  Ottocento: os anos após a Restauração e os anos após a Unificação. A partir da análise do proêmio  dos curadores (TOSTI, 1841; MANZONI, 1882), das anotações que fizeram aos textos  (especialmente as de Manzoni) e de suas escolhas para estabelecimento da melhor lição da  tradução, pretende-se observar suas filiações político-linguísticas e o diálogo que ambos  estabelecem com as preocupações de sua época a respeito da língua e da sociedade italiana. Para  isso, o trabalho apoia-se, dentre outras fontes, nas próprias edições do vulgarizamento, nos estudos  históricos de Migliorini (2002), Hortis (1879) e Valle e Patota (2006), e nas abordagens da tradução  de Cassin (2019), especialmente o conceito de "relativismo responsável". 

PALAVRAS-CHAVE: Tradução, Trecento, Vulgar Italiano, Questão Da Língua, Giovanni Boccaccio

REFERÊNCIAS:

CASSIN, Barbara. Elogio de la traducción. Tradução Irene Agoff. Buenos Aires: El Cuenco de  Plata, 2019.
 
MANZONI, Giacomo. Proemio. In: BOCCACCI, Giovanni. Delle donne famose. Volume 2.  Traduzione M. Donato degli Albanzani di Casentino. Bologna: Gaetano Romagnoli, 1882. p. III XXVI.  

MIGLIORINI, Bruno. Storia della lingua italiana. Introduzione di Ghino Ghinassi. 10. ed. Firenze:  Tascabili Bompiani, 2002.  

TOSTI, Luigi. Avviso ai leggitori; Memorie storiche su la vita di M. Donato da Casentino; Note  dell'editore. In: BOCCACCIO, Giovanni. De claris mulieribus. Volgarizzamento di Maestro Donato  da Cassentino. Cura e studio di Luigi Tosti. 2. ed. Milano: Giovanni Silvestri, 1841. p. 7-14; 15-27;  p. 478-495.  

VALLE, Valeria della; PATOTA, Giuseppe. L'italiano. Biografia di una lingua. Milano: Sperling &  Kupfer editori, 2006.