Propostas aceitas - XIX Congresso ABPI (outubro 2021)

TÍTULO DO SIMPÓSIO:

O lugar da palavra: história, política, sociedade em tradução

PROPONENTES:

Aislan Camargo Maciera (USP) - aislan@usp.br

Aline Fogaça dos Santos Reis e Silva (UFRGS) - alinefogacareis@gmail.com

Gesualdo Maffia - gesualdo.maffia@gmail.com

PROPOSTAS ACEITAS (comunicações orais / pôster)

LEITURAS DE SI, LEITURAS DO OUTRO NA OBRA DE ELENA FERRANTE

Milena Vargas dos Santos Ferreira (mestre UFRJ)

Em um mundo que valoriza uma multiplicidade de narrativas de si (seja nas mídias sociais, seja na valorização do sujeito-autor com biografias elaboradas e cheias de detalhes nas capas dos livros), o surgimento da autora-personagem Elena Ferrante representa uma quebra de expectativa no leitor, que precisa construir a partir de outros discursos, disponibilizados fora dos espaços convencionais, as hipóteses de leitura para seus livros. Ferrante não existe de outra forma a não ser na diversidade de projetos discursivos que propõe aos seus leitores (livros de ficção, livros de ensaios, artigos em jornal, entrevistas concedidas), e performa sua subjetividade em cada uma dessas obras, adequando-se ao deslocamento das novas maneiras de compreensão das relações entre verdade e mentira, ficção e realidade. É impossível determinar um “quem” fidedigno que a descreva, o que nos leva a inseri-la (e também a suas narradoras) na reflexão sobre o “vazio de sujeito autônomo” feita por Arfuch (2010). Sobretudo, impressiona que as narradoras de Ferrante falem sempre a partir de uma confusão identitária e existencial que se relaciona com a existência de um outro (a mãe, o marido, a melhor amiga, uma mulher desconhecida na praia, a tia), de modo que sua proposta literária parece se desenvolver dentro de um escopo político: em pauta, não apenas questões importantes e contemporâneas sobre a experiência da mulher e a defesa da morte do autor barthesiana (2004), mas uma crítica à ideia de unidade do sujeito (CAVARERO,1997) e à própria espetacularização que a alçou ao sucesso internacional como escritora.

PALAVRAS-CHAVE: Literatura Contemporânea, Literatura Italiana, Narrativa, Subjetividades

REFERÊNCIAS:

ARFUCH, Leonor. O espaço biográfico. Dilemas da subjetividade contemporânea. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2010.

BARTHES, Roland. O rumor da língua. Trad. Mario Laranjeira. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

CAVARERO, Adriana. Tu che mi guardi, tu che mi racconti. Milano: Feltrinelli, 1997.